Por que ver a robotização com bons olhos

Por que ver a robotização com bons olhos

Uma coisa que é essencial nas empresas é a ideia de robotização, reformulação e renovação tecnológica, principalmente em sua infraestrutura. A empresa que tiver uma mentalidade voltada para este fim e uma política que colabore e dê carta branca à inovação, prosperará. Porém segundo estudo da IT² – provido pela Intel, IDC Brasil e Dell Technologies – o índice brasileiro atingiu a marca de 46,4 pontos de um total de 100 no final de 2018, 2,7 a mais que a medição anterior, no entanto ainda insuficiente para ficar acima da média.

O investimento em tecnologia da informação e em robotização, especialmente, é algo indispensável no mundo empresarial, que se torna cada vez mais competitivo e voraz. Uma companhia poderia realizar alterações estruturais básicas que causariam um impacto imediato na produtividade. Um bom exemplo é a automação de processos. Por ser de fácil implantação, de baixo custo e aplicável em qualquer sistema ERP (Sistema de Gestão Empresarial), a solução é classificada como um dos três pontos essenciais para uma empresa. Automação de processos, com 35,7 pontos, foi o indicador com menor índice registrado. Já processos internos e cultura obtiveram 57,2 pontos, o maior número, e modernização da infraestrutura teve resultado de 46,3 pontos.

A solução pode ser utilizada para operações simples e complicadas, e cada vez menos necessita da intervenção humana. Assim, uma tarefa que demoraria horas se feita por um funcionário, o qual talvez contasse com possíveis erros e não conseguindo assim obter um resultado perfeito, poderia ser transferida para um “robô”, que entregaria um trabalho impecável em um período de tempo muito menor. Cabe a alguém apenas programar a máquina para realizar todo o serviço.

Redefinindo o papel do homem e do robô

Esse tipo de tarefa manual, que envolve coleta e transferência de dados além da análise de informações, demanda minuciosa atenção para ser executada com excelência e em sua maioria não há espaço para margem de erros, ou seja, o trabalho deverá ser refeito caso for detectada alguma irregularidade, o que custaria mais dinheiro. Por isso ao invés de ocupar 20 pessoas para realizar esse serviço, é possível desempenhá-lo com apenas três. Assim, o trabalho pesado é deixado fora das mãos humanas com o acréscimo da robotização.

O futuro ideal seria dispensar o homem desse tipo de trabalho manual, pois fomos feitos para exercer atividades criativas, e é onde nos destacamos mais. Portanto não se trata de descartar as pessoas para substituí-las por máquinas, mas sim libertá-las para que possam desempenhar o seu verdadeiro potencial dentro de uma empresa, tornando a mais produtiva.